ASICS DynaFlyte 3 – testamos

O DynaFlyte 3 chegou no ano passado ao mercado brasileiro gerando grande expectativa, depois do sucesso das versões anteriores. 

PRIMEIRA IMPRESSÃO

Eu recebi o DynaFlyte 3 em uma quarta-feira e, no domingo, sem nenhuma corridinha antes, já usei ele para correr os 10K do Circuito das Estações.

 

DynaFlyte 3
DF3 – Preto

Antes de falar do teste nessa primeira corrida, quero ressaltar a lindeza desse tênis – eu sei que tem gente que não liga para isso, quer saber apenas se o tênis é bom, confortável, durável, responsivo, (segura aí que já vou falar tudo) mas….esse corredor aqui, gosta de tudo isso e valoriza o design e as cores também.

 

De longe um dos TOP 3 em belezura. 

…pausa para aplaudir o design e as cores do novo DynaFlyte 3.

 

 

Pronto! Voltei ao foco.

 

DynaFlyte 3
Circuito das Estações Verão – 10k

Na primeira corrida foram 10K em um calor forte em Sampa e um percurso bastante desafiador com muito sobe e desce e curvas.

Gostei muito do tênis no primeiro teste, apesar de ainda não estar 100% amaciado.

Depois, entre dezembro e janeiro, corri mais uns 60km com o pisante sendo a corrida mais longa de 18k.

E nessas rodagens que fiz, já deu para perceber que o DynaFlyte 3 tem algumas melhorias em relação à versão anterior.

Vamos a elas!

 

 

 

 

 

DYNAFLYTE 3 X DYNAFLYTE 2 

 

DynaFlyte2
DynaFlyte 2 na Maratona de Floripa

Eu sou suspeito para falar do DynaFlyte 2, por que foi o tênis que escolhi para correr as minhas principais provas ano passado:

 

Maratona de Floripa (veja aqui como foi) e a de Buenos Aires (veja aqui).

Galera, se tem uma verdade máxima na corrida é: ninguém corre uma Maratona com um tênis que não goste muuuiiito. 

Sacou!??

Vamos lá aos detalhes que percebi comparando o  DynaFlyte 3 com o DynaFlyte 2.

 

 

 

 

 

Mais responsivo: na prática, senti que essa nova versão tem um rebote maior de energia facilitando a propulsão e o deslocamento.

Cabedal: está com a nova malha Adapt Mesh 2.0, que fez o pisante ficar mais flexível e respirável. Está mais acolchoado, com bom ajuste e espaço para os dedos, o que garante o conforto sem comprometer a respirabilidade mesmo em corridas longas.

Solado: houve evolução significativa também, mudaram as ranhuras e ficou perceptível uma melhora na eficiência da marcha. O design da sola também mudou, principalmente no calcanhar, que está mais curvado e com um pouco de borda dando mais estabilidade.

Amortecimento: o grande desafio das marcas é melhorar o amortecimento em um tênis mais leve. Nessa versão, a ASICS conseguiu com a tecnologia em nanofibras da nova FlyteFoam Lyte, aliada ao já tradicional GEL.

Conforto: nesse quesito, confesso que é difícil comparar um tênis que eu já rodei mais de 700km com um que rodei 70km. Mesmo assim, tenho a sensação de que ele é tão macio quanto o anterior e mais leve.

Design: essa nova versão está com um acabamento primoroso, superior ao Dyna 2. O contraforte (tornozelo) está com um novo design, mais estruturado. A lingueta está muito mais bonita. O simbolo ASICS continua muito discreto por baixo do Mesh, eu acho isso muito charmoso. Os furos de amarração e os cadarços também estão com detalhes diferenciados.

Lingueta: no DF2, ela me incomoda um pouco, porque fica meio que caindo de lado. Não compromete nada no conforto nem na firmeza, mas compromete a estética e faz muito mal para o meu “toc”. rsrs. Na nova versão, isso foi melhorado com duas malhas diferentes, com o escrito ASICS e a logo emborrachados.

Durabilidade: o DynaFlyte, desde o modelo original até o DynaFlyte 3, já é conhecido por ser forte, robusto e muito durável. O meu Dyna 2 já rodou mais de 700km na chuva, sol, trilha, pedra, barro e ainda aguenta um bom tanto. Essa nova versão está ainda mais estruturada.

 

CARACTERÍSTICAS 

Indicação: provas e treinos longos.
Pisada: neutra
Peso: 258gr (Tamanho 41 masculino) / 227gr (Tamanho 38 feminino)
Categoria: performance/amortecimento
Drop: 8mm
Preço: R$ 599,00 no e-commerce da ASICS em 09/01/2019.

 

CONCLUSÃO

Eu já vinha de uma ótima experiencia com o Dyna 2, então tinha grande expectativa de correr com essa nova versão atualizada.

Será que é tão bom quanto? Melhor? Ou iria me decepcionar? 

Eu fiquei empolgado demais nessa resenha do novo Dyna. É que minhas duas Maratonas do currículo foram com um modelo da franquia, o Dyna 2, por isso essa empolgação. Quem já correu Maratona vai me entender melhor.

Na prática, na corrida, na real, o DynaFlyte 3 cumpre o que promete: ser mais rápido, mais macio, leve e confortável que o anterior, além de um melhor acabamento e mais bonito.

O DynaFlyte tem tudo para virar um ícone, assim como o Nimbus, que está na sua vigésima versão e o Kayano (veja aqui o review), na vigésima quinta, aqui no Brasil. 

Acredito que seja um tênis perfeito para quem tem a estrutura corporal semelhante à minha: 64kg e 1,75m. O novo Dyna vai me acompanhar em corridas longas, acima de 20km, revesando com outros modelos.

 

O tênis DynaFlyte 3 está aprovado para Boas Corridas.

 

Agradeço à ASICS por enviar o calçado.

 

 


Informo aos leitores que essas são as minhas impressões reais do tênis como um corredor amador, sem nenhuma influência da empresa.

 

Um grande abraço, cuide-se, corra e seja feliz!

Ed

Deixe uma resposta