Correr com música: quais vantagens e desvantagens dessa prática

Alguns dispensam a música e preferem ficar mais ligados no ambiente ao seu redor, mas a cada dia aumenta o número de corredores que correm curtindo o som das suas músicas prediletas

Para quem não sabe, a corrida e a caminhada estão entre as três atividades físicas mais praticadas no Brasil. E nesse grande universo de pessoas se exercitando, é muito comum encontrar em parques, academias e provas, corredores ouvindo música. Para alguns inclusive, correr com música é quase uma terapia.

Entre corredores “raiz”, muitos abominam essa prática, enquanto outros não conseguem ficar sem o fone de ouvido. Mas será que correr com música é uma boa opção para se motivar e treinar melhor? Ou ouvir seu playlist preferido atrapalha o treino?

Correr com música: Vantagens 

Altera sua percepção de esforço – Como a música distrai a sua mente enquanto você corre, ela afeta diretamente o corpo, alterando sua percepção de esforço. Em resumo: você passa a correr de forma mais intensa, com maior motivação, não percebendo o real esforço aplicado;

Faz o tempo passar mais rápido – Sem dúvida, uma das maiores vantagens e principais motivos alegados para correr com música. A música tem a capacidade de distorcer nossa noção temporal, fazendo o tempo passar mais rápido.

Uma playlist bem selecionada também aumenta nossa confiança, pois conseguimos interagir com os bpm (batimentos por minuto) da música, entrando no fluxo de seu ritmo. Aos adeptos da corrida com música, com certeza isso ajuda o momento a ficar mais prazeroso.

Ajuda na marcação do ritmo – Escolher a batida certa também pode servir como uma excelente alternativa para “marcar” não apenas sua cadência na corrida (quantidade de passos por minuto) como também auxiliar no ciclo de inspiração e expiração;

Correr com música: Desvantagens 

Distração excessiva – Correr com música pode ser um fator de distração muito grande. O ato de imergir na corrida pode levar a uma postura inadequada, ou tirando o foco de pontos como a respiração, o barulho dos passos e o ritmo previsto para aquele treino;

Segurança – Essa informação serve principalmente para quem corre nas ruas. Ouvir música enquanto atravessa uma avenida, ou passa por uma calçada irregular, pode levar a uma grande acidente. A música pode atrapalhar muito o nível de atenção. Essa situação também pode levar a acidentes na esteira, por exemplo;

Mudança de ritmos inadequados – O ritmo da música pode tirar (e muito) a consistência de seu treino. Imagine que o treino do dia deve ser continuo, em intensidade leve a moderada, e você está com uma playlist agitada, com músicas intensas e motivantes. Sem dúvida isso pode leva-lo a correr num ritmo mais forte que o proposto.

Músicas variadas também podem levar você a oscilar frequentemente a velocidade, afetando a prescrição de seu treino e aumentando o desgaste do seu corpo.

Conclusão

Ou seja, correr com música pode fazer parte do seu treino. Ou não! Depende do seu objetivo, principalmente. Pra quem treina por lazer, pra aliviar o stress, é uma boa pedida! Pra quem está visando melhorar o desempenho na corrida, estar atento as respostas do corpo, sem a interferência da música, parece ser a opção mais interessante.

 

 


FONTE:

www.pacefit.com.br